Coisa que o primeiro cachorro na rua pode dizer

44_g

A ideia não era voltar ao Brasil agora, mas já não sei bem se devo alguma coisa à antiga ideia (coerência é virtude, é o quê?), de toda forma a virtualidade não conhece fronteiras. Aonde quero chegar. Aonde quero chegar: acabei chegando aqui: Coisa que o primeiro cachorro na rua pode dizer; já leram? Segue amostra grátis:

entre-fôlegos de um basqueteiro solitário
quinze para as duas da tarde
na trajetória indefinida da bola, um vôo cego de idéias inacabadas quicando no chão e nos muros
ah!, se não tivesse quebrado tantas promessas de intimidade, ou não faltasse aos encontros e aos riscos
talvez fosse milionário e igualmente descontente, talvez estivesse feliz criando cogumelos em Nova Lima
não tenho radar para me guiar no escuro, e na claridade desta tarde orientes e mitos surgem ofuscados
sobram contornos, arestas, rugosidades
e entre uma linha e outra, inúmeras e imprudentes lagartas esmagadas
e entre o chão e o aro, o peso e a circunferência onde me arremesso
talvez eu deva jogar na mega-sena acumulada
e se ganhar aquela bolada (ah!, se ganhar aquela bolada), ir rifar o dinheiro com as putas parisienses, subornar um senador da república ou patrocinar cocaína para os amigos
mas o que pode restar de alguém que um dia ganhou tantos milhões de dinheiros
poderá caminhar à tarde, pegar o metrô em Botafogo e ir ao centro da cidade procurar um livro no sebo?
poderá dormir no ônibus, com o rosto encostado no vidro, e não saltar no ponto de descida?
perder-se, sentir fome, carregar silenciosamente uma hérnia de disco, ter um pâncreas ectópico, uma esofagite de refluxo
não sei por quanto tempo os joelhos vão suportar todos estes impactos
há tantos arremessos, encontros, chutes, medidas
e coisas sem sentido que me compõem, habitam os passos e os intestinos
há ainda muito a fazer
escutar cantores populares que vêem deuses todo santo dia, ou comem pentes, ou decifram o mistério das pirâmides, a configuração das estrelas
não para tentar responder ao tablóide inglês qual o sentido da vida
pois essa é mais uma coisa que você pode perguntar ao primeiro cachorro na rua que ele vai lhe dizer

O poema é do Caio Meira, você pode ler o livro online (só clicar no título lá em cima) ou o comprar no site da Azougue.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: